Quando 7 horas, levam embora 200 anos de história.

 

Lembro muito bem quando eu era criança, e frequentava a Quinta da Boa Vista para jogar bola ou soltar pipa com o meu pai, minha mãe, meu irmão e minha irmã. E assim foram algumas vezes durante toda a minha infância. Lembro bem a primeira vez que entrei no museu para conhecer a múmia do Egito, que segundo relatavam, durante a noite circulava dentro do museu. Era um misto de curiosidade e medo.

Foto: Josué Junior / LinkeZine

O tempo foi passando e os interesses também, mas o Museu Nacional sempre esteve lá imponente moradia da família real no século 19.

 

Agora, vivendo minha vida adulta, sempre que queria realizar uma corrida mais longa, eu corria até a Quinta da Boa Vista e voltava. Era certo dar no mínimo 3 voltas, passando pelo Museu Nacional, e assim ele voltou a ser uma presença, de pelo menos, uma vez na semana na minha vida adulta.

 

O luto que todo Brasil está passando, não é justo, pois nós brasileiros, queremos a nossa história intacta, queremos vivenciar história, como dizia o poeta Cazuza ” Um museu de grandes novidades”, pois é isso que acontece quando se entra em um museu.

Foto: Josué Junior/ LinkeZine

Mas toda perda tem dois lados, um lado ruim e o lado do aprendizado. Espero que a partir de agora, nossos governantes tenham aprendido que não se brinca com a nossa história e cultura, e nem se negligencia 200 anos de uma coleção de artefatos que simbolizam a memória de um país. O que posso dizer, é que estamos vivendo no século 21, e tudo muito rápido, dinâmico, menos para um museu. Gostaria muito de estar lá no dia da inauguração, celebrando a vitória e emoção de uma memória sendo construída, peça por peça. O que sei agora é que apenas restaram 20% das obras originais que lá estavam. É uma pena não poder ver mais aquela múmia que ocupava minha imaginação infantil; ou os ossos daqueles imensos dinossauros que via desenhado em meus livros de escola. Tantas histórias geradas, mas vou ficar muito feliz de rever o Bendegó lá na entrada principal, ou de rever Luzia, mesmo sendo uma réplica.

 

Sobre Josué Júnior (160 artigos)
Josué Júnior, carioca, fotógrafo profissional pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Há mais de dez anos no mercado fotográfico com ênfase em moda e publicidade. Atualmente fotografa para o site Versão Masculina, especializado em comércio de produtos masculinos. Em sua empresa Arte foto Designer, desenvolve seu trabalho autoral, que pode ser apreciado na sua pagina : www.facebook.com/fotosjosuejunior?ref=bookmarks ,ou em seu Instagran .https://www.instagram.com/josuelbjr/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: