Topless, um direito ou um ato obsceno?

Paulo Ramos elaborou um Projeto de Lei 190/22, que tem a intenção de retirar do código, a exposição do corpo humano acima da cintura…

Março é o mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher. O dia 8 de março é marcado por várias homenagens e atos públicos, liderados por políticos, com o objetivo de lembrar a luta diária vivenciada pelas mulheres, em busca de uma sociedade mais igualitária.

Tirando os atos públicos, realizados por políticos, o que as mulheres precisam, na prática, é ter seu espaço respeitado em todas as áreas. Na contramão de toda essa luta está a fala do presidente: “Mulheres estão praticamente integradas à sociedade” – Jair Bolsonaro.

Esse é um dos candidatos à presidência em 2022. Mas, é preciso alertá-lo que as mulheres já estão integradas e atuando na sociedade, mas não de forma igualitária. Esse é o objetivo de tanta luta! É preciso quebrar tabus para se construir um novo pensamento, uma nova sociedade. Com esse pensamento, a atriz Leila Diniz, em 1970, concedeu uma entrevista ao Jornal “O Pasquim” que teve como consequência um grande reboliço para a sociedade da época.

Voltando ao momento atual, o deputado federal Paulo Ramos elaborou um Projeto de Lei 190/22, que tem a intenção de retirar do código, a exposição do corpo humano acima da cintura. Se o projeto for aprovado, as mulheres irão garantir o direito de praticar o topless, sem que este seja considerado um ato obsceno. O próprio deputado, no áudio a seguir, faz a sua consideração em relação ao projeto.

Fala do Deputado Paulo Ramos:

A declaração do Deputado Paulo Ramos é muito clara e nos leva a uma reflexão: Como garantir que o direito de realizar o topless seja respeitado? Em sua fala, ele exemplifica a forma natural que as tribos indígenas convivem com o topless, assim como este ato, quando realizado em praias ou praças públicas, de países europeus é comum.

Com a nova lei, o topless, ao cair na rotina passará a ser um ato comum, igualando homens e mulheres. Será? O debate é muito pertinente, uma vez que o Brasil tem uma extensa faixa litorânea somada a grande diversidade de frequentadores.

Em cada estado da federação, as condutas são diferentes. Embora sejamos todos brasileiros, nossos costumes nos diferem e essa diversidade não será padronizada através de uma lei. O projeto do Deputado Paulo Ramos pode trazer problemas, por exemplo, a estados que não têm costumes praianos, como Minas Gerais. A mulher mineira poderá exercer o direito ao topless em praças públicas, ou clubes, se assim desejar. Agora resta saber se os brasileiros irão se modernizar, abrir suas mentes para os novos tempos, tempos de igualdade para todos.            

Sobre Josué Júnior (642 artigos)
Josué Júnior, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: