A comida favorita do seu marido!

Casamento realmente é uma coisa engraçada. Meu casamento, por exemplo, não foi nada convencional, daqueles com festas ou grandes comemorações, eu e meu companheiro resolvemos que estava na hora de dividirmos as escovas de dentes, a louça pra lavar, as contas pra pagar, e multiplicarmos nosso amor, nosso carinho, cuidado um com o outro. E assim nos mudamos.

Você pode estar agora achando um pouco estranho e se perguntando: “Por que essa louca está falando de casamento numa coluna de gastronomia???”, mas eu vou chegar lá…

Meu marido inicialmente achou o máximo o fato de casar-se com uma “chef” como ele dizia. Já meus pais e irmãos estavam achando a pior coisa do mundo perder a cozinheira deles de uma hora pra outra. E nessa ilusão de uns “perderam” e outros “ganharam” que comecei minha saga de esposa/ cozinheira / dona de casa / confeiteira / “pagadora” de aluguel / uma pessoa totalmente sem vontade de fazer nada depois que chegasse a casa.

Aí começa nossa história gastronômica de hoje, foi nesse ponto que alguns itens passaram a ser indispensáveis na minha dispensa, e eu acabei descobrindo a “comida favorita do meu marido”. E esses ingredientes são: cebola, arroz arbóreo, vinho branco, caldo de legumes, queijo parmesão e manteiga sem sal. Pronto, está montada a base pra qualquer risoto da vida!!! E que os italianos não me ouçam, mas aqui em casa já rolou até risoto do resto de risoto do outro dia.

receita-de-risoto-italiano

Chega de enrolação e vamos falar de risoto! Pra começar é muito importante saber que um verdadeiro risoto não se faz com um arroz branco “normal”, aquele que fazemos todos os dias (ou pelo menos deveríamos) pra comer com feijão, e sim que existem 3 tipos de arroz para se preparar um autêntico risoto, e são eles: arroz arbóreo, carnaroli e vialone nano. O que eles têm de diferente? O tempo de cocção bem menor que o arroz branco, grãos de diferentes tamanhos, retém mais os líquidos e com isso absorvem mais sabor. Na fase inicial de preparação do arroz é fundamental você usar um vinho branco, ou qualquer ácido para ajudar a liberar o sabor e o amido do arroz, é a partir deste primeiro contato com esse líquido ácido que o arroz começa a cozinhar e soltar seus sabores.

A segunda parte mais importante de um risoto é o caldo que você vai cozinhá-lo, é ele também que confere o sabor ao arroz, então é nessa hora que você vai poder abusar dos sabores. Se quiser um risoto de beterraba, por exemplo, faça seu caldo com o suco da beterraba e vá cozinhando seu arroz com ele. Ao final você terá um risoto com um sabor incrível, além de uma linda cor rosada. Este caldo pode ser um caldo de legumes ou de frango bem simples, o que lhe trará sabores de risotos mais tradicionais. Mas ouse, até com caldo de feijão já fiz risoto, ele tem que estar ralo, mas fica incrível.

Depois do arroz cozido a manteiga no final não pode faltar, e com isso nós temos as três características de um risoto italiano, “all’onda”, ele tem que fazer uma onda mesmo na frigideira, e não ficar aquela “massaroca” de arroz grudado. “Al dente”, essa é fácil né, como o macarrão, ele tem que ficar ao dente, ou seja, não tão cozido como um arroz branco. E por último “mantecatto”, em português claro, amanteigado, mas não é ensebado não hein gente, é uma manteiga pra dar uma cremosidade e um brilho, nada de colocar o pote todo pra não ficar gorduroso de mais. E outra dica importante é usar sempre a manteiga sem sal, margarina no risoto é extremamente cafona, e não precisamos do sal que vem na manteiga com sal, nós decidimos a quantidade de sal de nossa comida, e não um fabricante de manteigas. Finaliza com bastante queijo parmesão, e do bom hein povo! E “Voilà”, seu risoto está pronto!

risoto

Eu poderia colocar agora uma receita de risoto tradicional, dessas que você coloca no Google e aparecem milhões, por isso resolvi fazer diferente hoje, achei legal falar pra vocês um pouco do que é o risoto. De como ele não tem mistério mesmo em ser preparado. Ele é muito mais simples do que parece quando se tem essas pequenas dicas que dei agora. Com isso você pode criar seu próprio risoto, com o que tem em casa, com sua comida favorita, com seu tempero, suas ervas, seu sabor, o que vai ser muito mais chique do que você ficar copiando e colando receitas já elaboradas.

Aí você vê que casamento é realmente uma coisa engraçada, meu marido que nunca tinha comido risoto na vida antes de namorar comigo, hoje diz que é a sua comida favorita. Quem sabe você criando sua receita seu marido também não passe a amar risotos?

E sobre os restos de risoto, bom aqui em casa é raro sobrar, mas sempre que sobra eu faço uma receita de bolinho de arroz italiano chamado “arancini di riso” uma delícia, super fácil de fazer e tenho certeza que vai ser sucesso na sua casa. Ciao, arrivederci!

 

 

 

 

Anúncios
Sobre Áila Neder (17 artigos)
Áila Neder, formada em letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), comissária de bordo, depois de sofrer muito por conta do que realmente queria fazer da vida, se encontrou nas panelas e na beira do fogão. Desde pequena ajudava sua avó nos preparos de bolos e doces para as festas da família, em 2013 resolveu enfrentar os preconceitos ainda existentes na profissão e abraçar de vez sua verdadeira vocação. Entrou para o curso de gastronomia no IBMR Laureate, estagiou em vários restaurantes franceses e hotéis internacionais, hoje formada faz pós-graduação em patisserie pela UNISUAM.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: