“NÃO”

 

 

Certamente, você já ouviu por aí a frase “quem ama, educa”. Há, inclusive, um livro com esse título, escrito pelo psiquiatra e educador Içami Tiba, o qual aponta para a importância da assertividade dos pais e familiares sobre os limites apresentados à criança.

Ainda estamos todos aprendendo a delimitar fronteiras adequadamente, de gerações reprimidas por tantas imposições autoritárias transitamos para outras cujo conflito predominante é a liberdade de escolha sem uma embasada orientação de conduta.

Tendemos a significar o amor pelo SIM, já o abandono e a rejeição, pelo NÃO. Trata-se de uma crença disfuncional, que resulta numa tremenda confusão e dificuldade em lidar com as frustrações. Frequentemente engolimos, sem digerir, situações desagradáveis para não desagradar, seja em casa, no trabalho ou em qualquer meio, no intuito equivocado de assegurar o vínculo estabelecido.

Como afirma “O pequeno príncipe”, “uma vez cativado, cativado sempre”. Ou seja, no momento em que existe afinidade, afeto, respeito, carinho e atenção, não há por que se preocupar com um suposto rompimento do laço já feito. Até uma separação pode ocorrer de modo amoroso, quando temos consciência sobre a permanência do vínculo, independente da forma como se reconfigura.

Por esta razão, é possível deixar expressar o amor pelo SIM e, TAMBÉM, pelo NÃO. Um NÃO consciente é libertador para quem o emite assim como para quem o recebe. O solo está seguro, ambas as partes sabem até onde podem ir e podem respeitar os respectivos espaços físicos e psicológicos, tão imprescindíveis à individualidade.

Quando nos permitimos ser honestos uns com os outros ao dizermos um NÃO, com todo amor, somos verdadeiros e livres ao dizer SIM!

Anúncios
Sobre Gisele Faria (9 artigos)
Psicóloga (CRP 05/37984), formada desde 2006 pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGoiás), e Terapeuta Complementar, formada e pós-graduada em Acupuntura pela Associação Brasileira de Artes e Ciências Orientais (ABACO) e pela Escola Nei Jing (Centro de Estudos e Desenvolvimento em Medicina Tradicional Oriental), no Rio de Janeiro, desde 2012. Atende adolescentes e adultos em consultório particular na Freguesia Jacarepaguá, Rio de Janeiro. Ama o que faz e faz o que ama, atuando na área da Psicologia Clínica e das Terapias Complementares, dentre elas a Acupuntura, Massagem Clínica, Terapia Floral, Reiki, Cromoterapia. Entende o estudo e aperfeiçoamento das práticas clínicas como uma necessidade continua, por isso busca sempre se atualizar. Percebe o mundo pela visão Transpessoal, que compreende o ser humano como um ser biopsicossocial e espiritual, em busca da realização material através da realização espiritual. Alimenta o blog bem-se-quer.blogspot.com e a página do Facebook Bem-Se-Quer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: