Entrevista com a Reitora da UFRJ Denise Pires de Carvalho

Certamente a educação do povo brasileiro não foi prioridade durante os primeiros séculos de formação do Brasil, o que condiz com a lógica de país-colônia de exploração. ……

Denise Pires de Carvalho é Reitora da UFRJ, professora livre-docente em Fisiologia e Biofísica pela Universidade de São Paulo (USP);  professora titular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), conquistou diversos prêmios, entre eles o Prêmio Sênior da Sociedade Latino-Americana de Tireóide(2010), e o Prêmio Faz Diferença – Saúde 2011, do jornal O Globo. Denise Pires de Carvalho nessa breve entrevista comenta e aponta algumas direções de como a Educação pode mudar no Brasil.

Venha conferir a entrevista da Reitora Denise Pires de Carvalho!

A rede de ensino público só teve sua real expansão no final da década de 70, início da década de 80. Esse atraso na expansão da rede pública de ensino contribuiu para a falta de interesse que se tem em resolver o problema chamado Educação que o Brasil vive hoje?

Denise Pires de Carvalho: Certamente a educação do povo brasileiro não foi prioridade durante os primeiros séculos de formação do Brasil, o que condiz com a lógica de país-colônia de exploração. A partir da primeira metade do século XX, houve mudança de paradigma e um projeto verdadeiro de nação independente começou a ser construído. Data desta época a criação de institutos de pesquisa e surgem as primeiras universidades. Não havia ensino superior no país até o final do século XVIII.

O Brasil ocupa o 53º lugar em educação, entre 65 países avaliados (PISA), e além dessa posição existem outros problemas dentro dessa classificação como o analfabetismo funcional, e um programa social que estimula pouco as crianças a começarem seus estudos. Agora com a pandemia, teremos em curto prazo um panorama pior com evasão e outros problemas que serão agravados. Com esse cenário como é possível retirar o Brasil dessa colocação e panorama em Educação

Denise Pires de Carvalho: Investindo mais em educação, ciência e tecnologia. Apostando na qualificação e valorização dos professores. O investimento no ensino de qualidade para todos é a única forma de inserir definitivamente o Brasil no cenário internacional como nação de futuro. Os professores devem ter dedicação exclusiva à escola na qual lecionam. O investimento é fundamental desde os primeiros anos da Educação Básica, com programas nacionais que considerem o aprendizado nas diferentes áreas do conhecimento como meta, ensinando a pensar, mais do que o ensino meramente conteudista.

“Maria de Salete Silva, coordenadora do programa de educação do Fundo das Nações Unidas para a Infância, no Brasil (Unicef) em 2013 fez esse retrato do ensino médio no Brasil. “O ensino médio é o maior desafio da educação do País.” Currículo inchado, com disciplinas demais para tempo de menos, ausência de um programa de ensino técnico integrado a essa etapa escolar, baixa remuneração dos professores e, fundamentalmente, inadequação do ensino médio à vida, às expectativas e às necessidades dos jovens compõem o retrato das dificuldades.”- Fonte site istoé.

Vendo esse retrato feito por Maria Salete em 2013, onde podemos afirmar que tivemos um avanço?

Denise Pires de Carvalho: Houve avanço no ensino médio profissionalizante com a expansão dos institutos federais e também no ensino superior público, justamente devido ao desenvolvimento da carreira docente em dedicação exclusiva, e da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. O ensino do século XXI não pode reproduzir aquele que caracterizou o século XX. Precisamos formar cidadãos capazes de se adaptar às mudanças do mundo moderno, o que somente pode ser alcançado através da formação pedagógica continuada dos professores. As escolas federais têm melhor desempenho justamente devido a essas características do corpo docente.

Estamos começando um momento novo no mundo que é a educação hibrida. Essa forma de ensinar teve inicio na pandemia e parece que teremos que conviver a partir de agora com esse novo sistema. Para a Educação existe ganho? Pessoas que moram longe sem acesso à Escola de boa qualidade, poderão conseguir através desse sistema uma nova perspectiva?

Denise Pires de Carvalho: Há possibilidade de o ensino híbrido ser mais inclusivo e eficiente, dependendo das políticas públicas implantadas, como a inclusão digital dos jovens.

Pensando no futuro como podemos transformar um sistema falido, que se tornou a Educação Brasileira, em um modelo de ensino igualitário onde todos possam ter o mesmo acesso, sem ter que recorrer a escolas particulares ou a cursinhos caros para passar em uma Faculdade de excelência como a UFRJ, reconhecida como a melhor Faculdade do país?

Denise Pires de Carvalho: As escolas públicas devem ser de qualidade e os professores devem ser altamente qualificados e bem remunerados. A carreira docente do ensino básico público deve ser atrativa e o sistema privado de ensino deve ser para a minoria, apenas para aqueles que, por algum motivo, não queiram estudar na rede pública. A qualidade deve ser ainda maior no ensino básico público, como ocorre com o ensino superior.

Falar em educação também é falar no profissional da área de educação. É preciso estimular o profissional não só na remuneração, mas também no seu dia a dia como profissional, incentivando a formação continuada para se ter melhores profissionais. Minha pergunta é, como devemos tratar um profissional da área de ensino que vive no seu limite, sem conseguir apresentar todo o seu trabalho para os alunos da rede pública?

Denise Pires de Carvalho: A carreira deve ser valorizada e os professores poderiam atuar em regime de dedicação exclusiva, as escolas deveriam funcionar em horário integral. Com a valorização dos docentes no ensino público, em todos os estados da federação, certamente haveria avanço na educação

Sobre Josué Júnior (544 artigos)
Josué Júnior, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

2 comentários em Entrevista com a Reitora da UFRJ Denise Pires de Carvalho

  1. José Candido da Costa e // 16/03/2021 às 1:44 am // Responder

    Muito boa a escolha do assunto. Por diversas vezes ela tocou no problema crucial da educação no brasil. A remuneração dos professores. Enquanto um vereador ganhar mais do que um Professor a educação no brasil será uma piada…de mau gosto.

  2. nice information

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: