01 de novembro

Pelo sim e pelo não, vamos ficar atentos para que o dia primeiro de novembro seja uma segunda-feira apenas de reivindicações…

@linkezine

Dois de novembro de 2021, feriado, terça-feira, sugestivo para mais um dia de folga, na segunda dia primeiro. Essa informação poderia ser banal caso não fosse um alerta de uma possível greve dos caminhoneiros. Bem que o governo tentou enfraquecer o movimento, congelando o ICMS por 90 dias, mas mesmo assim, a greve está mantida e com uma pauta extensa. Segue as reivindicações:

  • redução do preço do diesel e revisão da política de preços da Petrobras (Preços de Paridade de Importação, que vincula o valor do petróleo ao mercado internacional);
  • piso mínimo do frete;
  • retorno da aposentadoria especial, com 25 anos de contribuição;
  • aprovação do Marco Regulatório de Transporte Rodoviário de Carga (PLC 75/2018) criação e melhoria dos Pontos de Parada e Descanso.

Outras demandas estão apresentadas numa nota oficial (imagem anexada), assinada por:

  1. Sérgio Nobre, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores);
  2. Miguel Torres, presidente da Força Sindical;
  3. Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores);
  4. Adilson Araújo, presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil);
  5. José Reginaldo Inácio, presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores);
  6. Antonio Neto, presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros);
  7. Atnágoras Lopes, secretário-executivo nacional da CSP-Conlutas;
  8. Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical (Central da Classe Trabalhadora);
  9. José Gozze, presidente da Pública, Central do Servidor.

No vídeo a seguir, o presidente da CSB, Antônio Neto faz o aviso:

Além do presidente da CSB, Antônio Neto, ter divulgado esse vídeo em suas redes sociais, a CUT também afirmou seu apoio com 59% da sua base.

Vanderlei de Oliveira, presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga de Navegantes-SC (Sinditac), declara:

“Estamos passando dificuldades. Esperamos que o governo Bolsonaro atenda as nossas reivindicações. O preço do diesel está um absurdo”. 

Esse movimento pode desabastecer, em poucos dias, o Brasil. Provavelmente, as reivindicações não serão atendidas de pronto e o governo, já mergulhado em uma crise, ficará mais vulnerável. Os índices da inflação e os aumentos da gasolina estão alavancando os preços dos alimentos e dos serviços de terceirizados, é uma ciranda sem fim. O governo não consegue conter a alta do dólar, fazendo nossa economia interna sangrar.

O Gazeta do Povo apurou que existem empresários dispostos a apoiar a greve, com a pauta contra o aumento do combustível. Os empresários estariam dispostos a apoiar a decisão dos caminhoneiros. Pelo sim e pelo não, vamos ficar atentos para que o dia primeiro de novembro seja uma segunda-feira apenas de reivindicações, sem muitos transtornos para o povo brasileiro.   

Sobre Josué Júnior (563 artigos)
Josué Júnior, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: