Entrevista com a Vereadora Gilda Beatriz

As chuvas de fevereiro trouxeram muita dor e tristeza para a cidade de Petrópolis, sendo que a cidade ainda está se restabelecendo do dia 15/02/22. Nessa entrevista a Vereadora Gilda Beatriz de Petrópolis fala um pouco desse momento triste da cidade e como ela poderá se reerguer.
Com vocês Gilda Beatriz!

Vereadora, a cidade de Petrópolis vem sofrendo com enchentes e desabamentos há vários anos, décadas na verdade, basta acontecer uma chuva muito forte que os antigos problemas reaparecem. Como explicar a falta de fiscalização nas áreas de risco, e qual o motivo da permissividade da Prefeitura em deixar subir casas e prédios que podem desabar?

Vereadora: Infelizmente, Petrópolis possui um déficit habitacional há muitos anos, uma história que se repete há décadas e por vários governos passados. A cidade já possui, pela sua própria limitação geográfica, uma carência muito grande de áreas apropriadas para a implantação de unidades residenciais populares, especialmente no primeiro distrito, e as políticas públicas não se preocuparam muito com esse tema nos últimos anos. A permissividade dos órgãos responsáveis por evitar essas ocupações irregulares, não só na esfera municipal, mas também estadual e federal, acabam sendo o estopim para esse tipo de tragédia.

É ciência de todos que as sirenes das áreas de risco não alardearam no tempo certo para que houvesse uma evacuação necessária. A quem se pode imputar essa falta de bom-senso?

Vereadora: Alguns moradores relataram que em ao menos cinco pontos da cidade com riscos de deslizamentos de terra as sirenes de alerta não tocaram. Todas deveriam ter sido acionadas, em virtude do volume de chuvas registrado naquela data específica. Petrópolis possui um trabalho de excelência nessa área, inclusive já tendo integrado um projeto de cooperação técnica internacional com o Japão na prevenção de desastres naturais. Estamos tentando entender se essas falhas realmente aconteceram, oficiando à Defesa Civil Municipal para maiores esclarecimentos para saber se houve alguma falha no sistema.

Para o petropolitano ficou a dor e o momento difícil para enterrar e procurar seus entes queridos. Como Petrópolis irá retomar sua vocação turística depois dessa tragédia?

Vereadora: O turismo de Petrópolis foi mais uma vez muito afetado com esse acontecimento. Infelizmente, num momento em que o setor começava a se reerguer com a flexibilização das medidas restritivas da pandemia, sofremos com essa nova avalanche. Mas os problemas foram mais concentrados na região do primeiro distrito, e aos poucos as coisas vão se acertando. Muitos pontos turísticos já estão reabrindo suas portas e nossa cidade vai dar a volta por cima. Vamos precisar de uma forte ajuda da mídia para, em algumas semanas, mostrar para o Brasil e para o mundo que Petrópolis continua linda e pronta para receber com a qualidade de sempre.

Dom Pedro II já passava por problemas de alagamentos e enchentes em seus momentos em que vivia em Petrópolis. Seu engenheiro, o alemão Júlio Frederico Köeler, fez vários projetos para o Rio de Janeiro, e já falava dos riscos de possíveis tragédias, caso não houvesse um cuidado na urbanização da cidade, citava possíveis tragédias naturais como essa do dia 15/02/22. Para o engenheiro era melhor um planejamento controlado da cidade. Fica a pergunta: Como é possível uma cidade com problemas sistemáticos de enchentes e desabamentos ter construções que favoreçam essas tragédias?

Vereadora: Fiscalização. Essa é a palavra chave para que essas ocupações não aumentem nos próximos anos. O governo municipal precisa ser mais efetivo nessa atuação fiscalizatória. E buscar o apoio federal e estadual para implementar ações e uma política pública voltada para a habitação, para aos poucos ir oferecendo alternativas para a que a população que vive em áreas de risco possa viver em regiões da cidade incólumes. Com base nos problemas já citados acima, esse será sem dúvida um grande desafio.

E a assistência às vítimas? Qual seria o apoio a ser oferecido pelo legislativo petropolitano neste momento e, de forma especial, pela vereadora?

Vereadora: O legislativo precisa cumprir esse papel de representar o povo petropolitano nesse momento difícil. Somos a voz deles agora, principalmente daqueles que mais sofreram com a tragédia em Petrópolis. Tenho visitado todas as regiões da cidade atingidas, ouvido as demandas dos moradores, caso a caso, levando os problemas encontrados ao Executivo, e aprovei recentemente um projeto de lei que criou o Comitê Municipal de Apoio às Vítimas das Chuvas, com a participação do poder público e da iniciativa privada, para auxiliar o Poder Executivo na tomada de decisões, sendo um ponto de discussão e apoio às vítimas e às famílias afetadas. Integro também a Comissão de Finanças, Infraestrutura e Retomada Econômica da cidade na Câmara, como relatora.

Igreja de Santo Antônio, no Alto da Serra, tendo ao fundo o Morro da Oficina, área mais atingida da cidade. Foi uma audiência pública da Defensoria Pública com as Vítimas

E agora vereadora, o que se esperar em ano de eleições para um posicionamento mais efetivo dos políticos? Afinal, Petrópolis é um ponto turístico de referência no estado do Rio.

Vereadora: O ano eleitoral pode sim, ajudar na reconstrução de nossa cidade. Os candidatos serão mais cobrados sobre medidas que possam evitar futuras tragédias como a que vivemos no mês passado, e os atuais gestores e parlamentares vão precisar nos apoiar nesse processo de reconstrução da imagem e da própria estrutura do município. A mim cabe, como vereadora, manter o papel que desenvolvo nos últimos três mandatos: fiscalizando possíveis irregularidades que venham a ser cometidas e propondo ações legislativas que busquem evitar que outros momentos tristes como esse voltem a acontecer em Petrópolis. Sem esquecer do apoio às vítimas, que continuará sendo imprescindível ainda por um longo período.

Sobre Josué Júnior (642 artigos)
Josué Júnior, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: