Canecão

Mais de uma década sem a presença do maior palco que a música popular brasileira tinha como abrigo, este é o famoso Canecão! As luzes do Canecão foram apagadas em 2010 com o show de Bibi Ferreira. Preciso salientar um fato curioso em que Elymar Santos viveu pelo fechamento da casa. Ele iria comemorar seus 25 de carreira no mês seguinte ao show da Bibi Ferreira, mas a casa fechou antes do evento, e até hoje ele espera realizar esse show comemorativo. Desde então o que se viu foi uma briga judicial entre o Mario Priolli, falecido em 2018, com a UFRJ, por motivos pessoais. Mario saiu do município do Rio de Janeiro e foi morar em Cabo Frio, onde permaneceu até a sua partida. Consta nos autos que a pendenga judicial durou 40 anos.

A casa Canecão abriu seu funcionamento em 1967 como uma cervejaria, e foi o jovem arquiteto José Vasquez Ponte quem a projetou para ser uma grande caneca de chop, e esse é o motivo do nome Canecão. Com uma visão apurada de empreendedorismo, Mario Priolli decidiu abrir sua cervejaria para shows, montando um palco próximo ao público ele aproveitou a acústica da casa, sua expertise na culinária e misturou tudo, até sair o primeiro grande show memorável de Maysa em 1969 com o show “Canecão apresenta Maysa”. Com esse show abriu as portas para outros nomes da época, como Vinicius de Morais, Toquinho e tantos outros. O tempo passou e o Canecão se tornou um grande ícone da música popular. Muitos críticos falavam que os artista só poderiam ser grandes se passassem pelo palco com pelo menos um grande show lá no Canecão, e de fato esse era o boato que corria entre os músicos. A lista de músicos que passaram por lá é gigante, como também os nomes de famosos que ficavam na plateia. Quase todos os políticos passaram por lá, como autoridades, empresários, artistas, pessoas comuns, enfim, a lista de público é gigante também. Ficou a saudade desses tempos, e para muitos, como o empresário Perrone, que comandou a cozinha da casa de show na década de 90 até o seu fechamento, algumas lembranças ainda permeiam sua mente. Uma delas é o início do empreendimento de Mario Priolli, e Perrone conta que tudo começou com um boliche, que virou uma cervejaria, que virou Canecão. Outra história que ele comenta é a passagem de som em que Roberto Carlos fez sem acompanhamento de instrumentos; apenas com sua voz Roberto conseguiu encher de energia uma casa sem público. Fizemos algumas perguntas para Valéria Colela última diretora artística do Canecão.

 Linkezine: Como você recebeu a notícia do fechamento do Canecão? 

Valéria Colela:   Recebi com muita tristeza, pois desde o início sabíamos que era o fim da casa que escreveu a história da música popular brasileira  

 Linkezine:  Valéria você estaria na reabertura do Canecão caso a casa voltasse a funcionar?

 Valéria Colela: Não existe reabertura do Canecão. As pessoas que idealizaram e fizeram a maior casa de espetáculo do Brasil já não estão mais aqui. Posso estar na inauguração de uma nova casa de espetáculo do Rio de Janeiro

São histórias que ficaram para sempre na lembrança de quem vivenciou o Canecão no seu dia a dia. Infelizmente os dias de glória e de boas lembranças não conseguiram aplacar a fúria do tempo, sendo que hoje o Canecão fechado está assim:

É triste! Com o seu fechamento e a definição do processo entre Mario Priolli e a UFRJ, a faculdade federal voltou a ter posse do estabelecimento, e com isso a manutenção desse patrimônio histórico também fica na sua conta. Antes de fechar as portas Mário Priolli, dono do Canecão, doou ao Instituto Ricardo Cravo Albin, todo o acervo da casa. São 24 caixas de documentos, filmes e fitas sonoras, além de 15 mil fotografias. É um acervo robusto que está com o musicólogo Ricardo Cravo Albin.  São muitas recordações que precisam ser revisitadas, e uma delas é o painel feito por Ziraldo com o título Santa Ceia.

Foto – Fernando Frazão/Agência Brasil

O painel tem a promessa de ser revitalizado, além dele existem também as madeiras do palco onde pisaram por quatro décadas artistas consagrados que gostariam de ter um pedaço desse palco. As boas notícias com relação a casa começam a chegar, a Alerj conseguiu o destombamento do Canecão, e com essa ação já é possível a UFRJ começar a pensar na casa. Fomos até o vice- reitor Carlos Frederico Leão Rocha, e fizemos algumas perguntas:  

Linkezine : Canecão será uma gestão da UFRJ ou será entregue à iniciativa privada?

Vice- reitor: Será construída uma nova edificação. Essa edificação prevê espaços de uso exclusivo da UFRJ e espaços a serem compartilhados com a iniciativa privada. A UFRJ tem um contrato com o BNDES que prevê a realização de uma modelagem para a gestão do equipamento cultural. Essa modelagem contemplará sistemas de governança em que a iniciativa privada e a UFRJ, em conjunto, deverão atuar.

Linkezine : Com relação aos investidores, qual é a porcentagem que cada investidor poderá ter no Canecão?

Vice- reitor: A modelagem deverá definir um processo de cessão compartilhada do espaço. Ela também deverá contemplar o período em que poderá durar essa cessão. O terreno sempre será da UFRJ e a edificação deverá ser retornada a ela, findado o período de cessão.

Linkezine : Já existe um prazo para a abertura do Canecão?

Vice- reitor:  Não. Para isso, deverá ser elaborado um projeto executivo da edificação, após a realização da licitação.

Linkezine : Com relação a parte multidisciplinar, quais os cursos que essa parte irá contemplar?

Vice- reitor: Dos espaços de uso exclusivo, um deles será um espaço de exposição de cerca de 800 m². Esse espaço poderá contemplar todos os cursos da UFRJ que quiserem expor seus trabalhos científicos e artísticos. Além disso, contará com um anfiteatro de médio porte que poderá ser utilizado também por um conjunto grande de unidades, como, por exemplo, a Escola de Música (EM), a Escola de Belas Artes (EBA), Escola de Comunicação (ECO), entre outros que mantêm relação com artes e apresentação.

Fica claro a boa vontade da UFRJ em fazer renascer um novo Canecão, com cunho educacional voltado para os estudantes de todas as áreas de sua faculdade, em conjunto com o público saudosista que quer rever a casa de show cheia de boas lembranças.  Será uma forma nova de caminhar olhando para as novas gerações.

                       Agora só nos resta esperar!

Sobre Josué Júnior (661 artigos)
Josué Júnior, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

2 comentários em Canecão

  1. Ótimo post! Se divertiu muito lendo.

  2. Saudades! Muitos momentos felizes lá!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: