Breaking News

O Audi está envolvida na eletromobilidade

O Audi está envolvida na eletromobilidade: A partir de 2026, a marca das quatro argolas lançará apenas modelos totalmente elétricos no mercado global e eliminará gradualmente a produção de veículos a combustão até 2033. Com base nessa decisão alinhada à estratégia corporativa global “Vorsprung 2023”, a Audi está preparando as suas fábricas globais para a produção de automóveis exclusivamente elétricos.

Battery assembly in Brussels: final acceptance of a cell module controller and cable laying.
Assembling the Audi e-tron GT at Böllinger Höfe.

Ao contrário de muitos dos seus concorrentes, a Audi está construindo essa nova linha de produção global a partir das suas instalações já existentes. “Passo a passo, estamos trazendo todas as nossas plantas para o futuro”, afirma Gerd Walker, membro do board da companhia nos setores de Produção e Logística. “Estamos investindo em nossas plantas atuais de modo que elas sejam tão eficientes e flexíveis quanto uma fábrica construída do zero”. Segundo Walker, isto é sustentabilidade em ação – nos aspectos económicos, ecológicos, e sociais. “O caminho que a Audi está trilhando conserva recursos e acelera a nossa transformação como fornecedores da mobilidade premium sustentável”, destaca Walker.

O executivo quer flexibilizar o processo de manufatura para garantir o seu uso no longo prazo. Em conformidade com esse objetivo, a Audi desenvolveu sua estratégia global baseada em diversas perspectivas. Walker e sua equipe se concentraram nas seguintes questões: “O que é que a sociedade espera de nós? O que nossos clientes exigem? Quais as expectativas das partes interessadas, e o que os nossos colaboradores irão precisar no futuro?” Como resposta, a Audi criou a Fábrica 360, que representa a sua visão do futuro com foco em eficiência, sustentabilidade, flexibilidade e atratividade.

Um roteiro ambicioso em direção à eletromobilidade

Até o final desta década, a Audi produzirá modelos totalmente elétricos em todas as suas fábricas globais. “Para atingir nosso objetivo, contamos com nossos funcionários altamente qualificados e faremos com que nossos colaboradores estejam aptos para o futuro até 2025com um orçamento de cerca de 500 milhões de euros para qualificação dos profissionais”, afirmou Walker. Duas fábricas, em Böllinger Höfe e Bruxelas, já estão produzindo veículos totalmente eléctricos. A partir do próximos ano, o Audi Q6 e-tron será o primeiro modelo totalmente elétrico lançado na linha de produção de Ingolstadt, na Alemanha. A produção de veículos 100% elétricos iniciará gradualmente em Neckarsulm (Alemanha), San José Chiapa (México) e Györ (Hungria). Em 2029, todas as fábricas produzirão ao menos um veículo totalmente elétrico. Dependendo das condições locais, a produção dos modelos a combustão restantes será gradualmente eliminada até o início da próxima década.

Novas instalações só serão construídas onde for necessária capacidade adicional. Por exemplo, a Audi e sua parceira FAW estão atualmente construindo um local em Changchun (China) onde modelos EPI (Premium Platform Eletric) serão produzidos localmente. Com conjunto de construção para terminar no final de 2024, esta será a primeira fábrica de automóvel na China onde serão produzidos apenas modelos totalmente elétricos.

Transformação como catalisador da produtividade

De qualquer forma, a eletrificação das fábricas é apenas uma parte da produção do futuro para a Audi. “Vamos utilizar a transição para a eletromobilidade de modo a realizar grandes saltos de produtividade, inserindo as adaptações necessárias”, afirma Walker. Assim que estiver equipada para o futuro, a rede de produção da Audi vai passar a ser mais econômica, sustentável, atrativa e flexível. Serão quatro objetivos centrais. Em primeiro lugar, a economia de recursos, e para isso a  Audi quer reduzir os custos anuais das fábricas à metade até 2033. Para isso, a marca das quatro argolas planeja reduzir a complexidade dos veículos em aspectos que não beneficiam diretamente os clientes – para isso, o desenvolvimento de veículos levará um processo de produção racionalizado desde a primeira fase. A fabricante ainda continuará digitalizando a produção, por exemplo, com a solução de produção Edge Cloud 4 utilizando servidores locais. Isto tornará possível substituir PCs industriais de custos elevados, reduzindo os esforços do TI, tais como a implementação de softwares e alterações do sistema operativo. No futuro, a Audi irá também utilizar uma nova solução –  a montagem modular independente do ciclo – para simplificar o trabalho com elevada variabilidade de produtos. A montagem virtual é um plano para poupar recursos materiais e tornar possível uma colaboração inovadora e flexível entre as diferentes plantas.

Member of the Board of Management of AUDI AG for Production and Logistics

Produção flexível e sustentável

Para se fortalecer diante de flutuações do setor, a Audi tornará os seus processos de fabricação mais uniforme e flexível. “Queremos estruturar tanto o produto como a produção de modo a obter o melhor custo-benefício aos nossos clientes”, afirma Walker. Com isso, o novo Audi Q6 e-tron, por exemplo, será inicialmente feito em Ingolstadt na mesma linha de montagem do Audi A4 e A5. Os modelos elétricos irão substituir gradualmente os carros a combustão nas fábricas.

Em termos de sustentabilidade, a Audi mantém desde 2019 um programa ambiental para reduzir o seu impacto ecológico relacionado à produção e logística. O objetivo central do programa é neutralizar até 2050 as emissões de carbono de suas fábricas em todo o mundo. Para isso, as plantas de Bruxelas e Győr, bem como as de Böllinger Höfe em Neckarsulm, já foram convertidas. O programa ambiental também aborda as áreas de eficiência dos recursos e da água, bem como o proteção e preservação da biodiversidade. Por exemplo, a Audi planeja reduzir pela metade o atual consumo de água nas fábricas até 2035. Em 2018, a Audi no México tornou-se o primeiro fabricante mundial de automóveis premium a produzir carros completamente sem águas residuais. Em Neckarsulm, foi criado um ciclo da água num projeto-piloto entre a fábrica e a estação municipal de tratamento de águas residuais vizinha, o que irá reduzir a procura de água doce em mais de 70%.

No seu caminho para se tornar uma Fábrica 360, a Audi está se tornando ainda mais ambiciosa em objetivos de sustentabilidade relacionados à produção. Até 2030, a empresa pretende reduzir os seu impacto ambiental nas áreas do consumo de energia primária, emissões de centrais eléctricas, CO2 equivalentes, poluentes atmosféricos, risco local da água, e volumes de águas residuais e de resíduos, na metade em comparação com a figura de 2018. Os passos importantes para alcançar esse objetivo incluem a geração de energia renovável internamente e utilização de tecnologias inovadoras para criar mais valor circular cadeias onde os recursos utilizados são utilizados em ciclos fechados.

Atraente interna e externamente

A Fábrica 360 da Audi também mostrará a fabricante como uma empresa atrativa tanto internamente como externamente – particularmente dentro da produção. Como parte deste compromisso, a Audi está trabalhando continuamente em conceitos para tornar o horário de trabalho mais flexível, mesmo em áreas que estão ligadas a turnos específicos. A Audi também está buscando tornar o ambiente de trabalho e as salas de descanso mais confortáveis aos seus empregados. A divisão de Produção da Audi não se enxerga como apenas uma fabricante, mas também como um desenvolvedor de tecnologia de processos. “Queremos ser os melhores empregadores tanto para os nossos atuais empregados, como para todos os futuros candidatos, estudantes e profissionais”. Destaca Walker. “A transformação na fábrica 360 exigirá as melhores mentes, mesmo em disciplinas não normalmente associadas à produção, tais como eletrônica e desenvolvimento de software”.

Sendo a primeira fábrica da Audi totalmente integrada, a fábrica de Ingolstadt servirá de modelo para a transformação das instalações de produção em grande escala da empresa em todo o mundo. Os outros locais irão abordar a transformação passo a passo. “Ainda temos um longo caminho a percorrer”, diz Walker. “Mas a direção que estamos indo e os passos para lá chegar são claros”.

Sobre Josué Bittencourt (1073 artigos)
Josué Bittencourt, carioca, pós- graduado pela faculdade Cândido Mendes. Atua no mercado com sua empresa Arte Foto Design é proprietário do site de conteúdo Linkezine. Registro Profissional: MTb : 0041561/RJ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: